segunda-feira, 21 de março de 2011


E se a saudade consome...
Eu mergulho em mim;
Abraçando as minhas lembranças e acariciando os meus pensamentos
Trazendo-te a tona...
Então apareces vestida de lágrimas.
Afagando meus olhos;
Percorrendo meu rosto;
Beijando meu sorriso...acabando comigo
Dia-a-dia.
Eterno tormento, que eu amo!

quinta-feira, 3 de março de 2011

Eloquentemente


Quem amor é esse, que nos torna enlouquente
Sem medo do amor, sem medo da gente
com toques perfeitos, e os beijos mais ardentes
Uma paixão avassaladora, um amor envolvente

O que é isso que nos protege,
É amor ou questão de pele?
Porque nossos peitos desatinam a bater
Por um sentimento que nem se pode ver

Porque esses arrepios, esses momentos perfeitos?
Esses desejos infinitos, que não cabem mais no peito
como a gente pode viver assim?
Dependente de outros.

A resposta ainda a procuro
Enquanto isso viveremos
A mais estranha, e melhor sensação que se pode sentir.

Catalogando-te.


Te definir em mim seria das mais fáceis descrições
Te definiria: instantânea.
Da mesma forma como surgiste em mim. De forma segura, única e abrupta.
Eu vejo tua personalidade estampada na tua pele. Pele branca e hipócrita que simula receptividade e expulsa o toque.
Eu vejo como te marcas.Como pintas tua pele de revolta e prazer, fazendo esvanecer todos os olhares que se atraem. Inclusive os meus olhos que perseguem a brecha ao teu acesso.
És o ser mais inspirador com quem já cruzei. É difícil pra mim escrever-te, Compreender-te, Pois tua transparência me faz por vezes atravessar-te em tentativas pequenas e falhas de tocar teus olhos.
Teus olhos,
Os teu olhos são certezas inequívocas da tua beleza.
Assim como o teu sorriso que desfere toda a tua sensualidade contra os olhares que te observam.
Eu preferia catalogar-te ao invés de meras poesias.
Ah, serão sempre pequenas e poucas pra falar de ti.
Eu poderia catalogar cada olhar,cada sorriso e cada forma de caminhar.
Eu poderia inclusive catalogar a forma de escrever e as diversas formas de se portar,diante do que gosta e do que repudia.
Na verdade,
Acho que te definiria diferente. Te chamaria de instinto
pela forma tão selvagem como estapeias a vida.
São inúmeras as palavras e definições. Tua transparência nunca fora benefício. Pelo menos não a quem te descreve.
Tomas mil formas e todas exuberantes. Todas tão naturais e tão absolutamente rebeldes.
Ah, coisa rara
Essa maneira com que as tuas mãos tocam as minhas costas ou como teus olhos frios fitam os meus. São a definição do que se entende por poética. A instrução do ser humano sendo o que é.
Tentador, malicioso, perfeito e renegado.